Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


The Stranglers - Paradise

por slade, em 04.05.21

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:34

Zager & Evans - In The Year 2525

por slade, em 03.05.21

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:03

The Go-Betweens e Velvet Goldmine

por slade, em 01.04.21

Em tenra idade, havia alguém que com insistência me lembrava do seguinte: cada um vai por onde quer e pode. Estranhos prazeres estes de uma juventude com vínculo, mas sem sentido. Hoje gosto de pensar que a personalidade vale um pouco mais do que as circunstâncias – O pior é o reflexo no espelho.  Assumo: quis muito e até agora pude pouco. Nunca tive a confiança necessária e suficiente para perseguir os meus sonhos, apesar destes, de resto como as minhas opiniões, serem abundantes e não raras vezes grandiosos. Sonhei-me escritor, realizador de filmes, jogador de futebol (mais velho, e mais por Wenders do que por Handke, i.e., levado pela mão por um título e por sugestão de filmes posteriores daquele que foi o meu alemão favorito durante a adolescência, guarda-redes). Nada me parecia mais lógico do que ver-me numa dessas poltronas de saber e resistência física e mental. Sempre preferi o cachimbo aos cigarros, livros e filmes a motos, silêncio a confusão, e música, meus amigos, só escolhida por mim (com uma única exceção); depois, marcar golos sem usar a máxima força no remate ou impedi-los em cima da linha com um voo acrobático revelam um carácter poético, opor-se a que outros tenham a bola nos pés nem por isso, é apenas trabalho.

Se não tenho por hábito perseguir a vida, a dita, símbolo do absoluto que é, nem sempre me deixou ficar mal. Giroscópio perfeito comigo no centro onde outros veriam uma camisa de forças.

Chamei-lhes sonhos, mas seriam verdadeiramente? Um filme e uma banda dizem-me que sim. Sonhos de verdade emanam do desejo, mas têm vida própria, são tão meus quanto de um superlativo cósmico que me transcende. Logo digo-os meus pelo que são, não necessariamente pelo que significam. Constituem-me (no que compreendo e não compreendo). Sonho, logo existo (no todo que sou e no Todo em que também sou). De noite ou de dia não importa…

O filme: Velvet Goldmine (1998), de Todd Haynes; a banda: The Go-Betweens, uma das três da vida airada -  Brisbane, Queensland, classe de 1978.

A interseção [já ouvi uma canção dos Go-Betweens e já vi o Velvet Goldmine] deixou de ser um conjunto vazio no dia 14 de junho de 1999. Já tinha idade para ter juízo.

Contas rigorosas indicam que já vi esse filme 83 vezes. 4 vezes em sala (as 2 primeiras no mítico King), aluguei-o em VHS 12 vezes entre janeiro e março de 2000, sendo que o vi sempre 2 vezes, vi-o nas 3 vezes que deu na TV, e desde que adquiri uma cópia em DVD em 2003 vejo-o pelo menos 3 vezes por ano. E sobre o filme já disse bastante num contexto mais adequado. Resta-me o óbvio: alguém escreveu sobre Sunrise, obra-prima de Murnau, que não era um filme sobre nenhum dos temas que sugeria (a insinuação era o registo típico do cinema mudo), e que vistos um a um podiam ser muito, quase tudo, mas não tudo, era um filme do sublime, que vertia sobre o espectador sem termo de comparação prévio. Daí a sua beleza intemporal. O sublime, tangente que toca em profundidade sem ser parte integrante, ideia luminosa que foge da definição que lhe querem desesperadamente dar, sendo tão óbvia em certos casos. Lógica sem âncora. A natureza do sonho. O mesmo ocorre em Velvet Goldmine, filme que propõe metas, que as atinge e dele ficam sobretudo as tais tangentes, emanações que o excedem. O plano muito breve em que Curt Wild se volta na escadaria do Metro de Nova Iorque, metamorfoseando a longa cabeleira em rosto, o mais belo e perdido dos semblantes, a mais vulnerável das expressões… passaram 2-3 segundos; que conjuga perfeitamente com um outro, tão parecido, tão diferente, em que o rosto se faz sorriso aberto; e depois com uma frase, lá para o final, que diz tanto: “dizem que não é natural” – e (por uma vez) sobre Tudo.    

Estranhamente, cheguei tarde aos Go-Betweens, e cheguei por acaso. Não digo quando por vergonha. Alguém me emprestou um CD com a capa do Tubular Bells II, do Mike Oldfield, como se fosse a última coca-cola no deserto (conceito idiota por definição, e também escolhido a dedo para o efeito); quem mo emprestou era um daqueles tipos tão simpáticos que só aparecem duas-três vezes na nossa vida, pelo que não consegui dizer não. Em casa, longe de qualquer olhar (e olvidado o olhar doce e expectante do meu amigo), abri o CD com altivez, para o poder olhar antes de finalmente o obsequiar com um merecidíssimo não. Ui!, lá dentro, a letras negras num fundo prateado banal, The Go-Betweens, e por baixo Tallulah, mais ou menos assim:

      The

Go-Betweens

  TALLULAH

A vida nas coisas – Disco para fora e logo no leitor, onde, vá-se lá saber porquê, foi para a faixa 4: I Just Get Caught Out. 2 minutos e 16 segundos (pausa final incluída) de puro prazer sensorial. Não parecia novo, não era agressivo, a letra não invocava paraísos ganhos nem perdidos e menos ainda infernos expressivos, se bem que falasse de fogo a certa altura. Mas quando acabava sabia sempre a pouco e tinha de voltar ao início. Cinco, dez vezes. Nunca me tinha sentido assim com uma canção. Terminava a ameaçar um auge que não concretizava, o que começou por me provocar uma pequena dor acima do quadril esquerdo que depois se tornou imensa e dispersa. Essa canção durou um dia inteiro. Como é que alguém me podia fazer uma coisa destas!? Tinha de a ter nos braços e não conseguia. Subitamente a canção fez-se mulher, o que me atirou para o abismo. O tipo era apanhado precisamente no instante em que eu voltava a cair. Vilmente empurrado uma e outra vez. No dia seguinte, o instinto de sobrevivência lá me levou para águas mais tranquilas (mais por mim do que pelas águas, diga-se), Bye Bye Pride e Right Here. E depois a força racional da literatura, The House That Jach Kerouack BuiltSpirit Of a Vampyre e The Clarke Sisters (esta, em tese, mas não em mim, a canção mais dorida do álbum). Obviamente, seria tolo da minha parte dizer que já ouvi esta ou aquela canção dos Go-Betweens este ou aquele número de vezes. O sonho, aqui, está ao nível da profecia. De uma Idade por viver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:46

Once upon a time (on national TV):

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:16

Joy Division - She's Lost Control

por slade, em 09.02.21

Ainda não estávamos em 1980 - e já alguém fazia isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:37

Islet - Radel 10

por slade, em 02.02.21

Simulacro de um tempo que não volta: que a voz transforma em atmosfera e a atitude em consequência. É experimental tanto quanto é melodia - Afinal o que nos resta? Sim, se o gozo é rejubilar com o passado enquanto se anseia pelo futuro. Por outras palavras: talvez o melhor já tenha sido feito, mas o futuro é Aberto, por condição natural assumido com nobreza, ...e enorme responsabilidade. Falamos, é claro, de música e de escrita de canções.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:49

Suzanne...

por slade, em 25.01.21

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:53

Emma Swift - I Contain Multitudes

por slade, em 15.01.21

Por vezes, o génio criativo de Bob Dylan é capturado por uma voz dissonante e repetitiva; daí uma brecha que fere, ainda que ligeiramente, como um corte provocado por papel. Emma Swift preenche esse vazio. Opera com tal lisura que cura com um simples toque.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

Pixies - Debaser

por slade, em 08.01.21

"Got me a movie
I want you to know
Slicing up eyeballs
I want you to know
Girlie so groovy
I want you to know
Don't know about you
But I am un chien andalusia
I am un chien andalusia
I am un chien andalusia
I am un chien andalusia
Wanna grow up to be
Be a debaser
(Debaser)
Debaser
Got me a movie
Ah ha ha ho
Slicing up eyeballs
Ah ha ha ho
Girlie so groovie
Ah ha ha ho
Don't know about you
But I am un chien andalusia
I am un chien andalusia
I am un chien andalusia
I am un chien andalusia
Debaser
(Debaser)"
-
Moral da história:
Quem não sabe para onde ir, que não vá a lado nenhum. Não é um revolucionário, mas também não é um tolo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:32

viking 3.jpg

viking 2.jpg

viking.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:39


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D